« voltar para Conversas e tendências de bar

Jornada pelas regiões produtoras de whisky da Escócia - Parte 1

Por ser a principal produtora de Uisge Beatha do mundo há séculos, há muito o que se descobrir quando se trata da Escócia e de sua profunda relação com o whisky

Johnnie Walker tem as maiores reservas de whiskies de malte e de grãos espalhadas pelos quatro cantos da Escócia, é assim que obtém seus sabores inconfundíveis. Para entender melhor como e onde esses whiskies são encontrados, pedimos a Tom Jones, embaixador global da marca Johnnie Walker, para fazer um tour conosco pelo país. Na primeira parte dessa série, Tom nos levou às Terras Altas e às ilhas escocesas.

TERRAS ALTAS (THE HIGHLANDS)

Para muitos, antigamente o termo “Terras Altas” era sinônimo de Escócia. É uma região intrinsicamente ligada à identidade cultural de nosso país, muito importante ainda hoje por ser a maior região produtora de whisky. É aqui que nossa jornada começa.

Para quem gosta de caminhadas, é possível fazer uma trilha do norte de Glasgow até a rio Tay, em Perth, seguindo a linha imaginária entre as Terras Altas e Terras Baixas. Mas não se esqueça de ir bem agasalhado, porque o lugar não é conhecido pelo clima quente.

Clynelish

Nessa região, ao norte, fica uma das principais destilarias de Johnnie Walker, a famosa Clynelish (pronuncia-se “cláine-lish”).

O nome “Clynelish” é a versão inglesa de uma palavra em gaélico que significa “pasto verde”. Embora seja um whisky produzido no litoral, o nome combina com um scotch cheio de sabores florais e notas verdejantes.

As colinas Kildonan, ao redor da destilaria, foram exploradas no final dos anos 1800, durante a febre do ouro escocesa. Por isso, como são as águas dessa colina que enchem o rio Clynemilton Burn, que abastece a destilaria, se diz que quem bebe o whisky de Clynelish fica mais rico, pois está bebendo ouro.

A destilaria Clynelish é bem-conceituada há mais de 200 anos, devido à sua combinação única de sabores do norte das Terras Altas e do litoral escocês.

As características de Clynelish

Um mosto (wort) límpido, fermentação e destilação longas, que maximizam o contato com o cobre, geralmente produzem um destilado com sabor frutado. Mas ao contrário de outras destilarias, a Clynelish mantém um determinado nível de precipitação de óleos durante a destilação.

Isso ajuda a criar seu característico sabor encorpado e amanteigado, e também o aroma de grãos, frutas e notas de pimenta. Outro elemento pouco comum é o fato de os alambiques para destilados (spirit stills) serem maiores do que os alambiques de wash (também conhecidos como alambique de cerveja).

Todos esses esforços para que a produção seja fora do comum criam um whisky inconfundível e muito apreciado, e mostra como Clynelish é extraordinária.

Na produção de Johnnie Walker Black Label, a destilaria Clynelish torna o whisky mais encorpado e saboroso, e contribui para seu paladar com notas de frutas tropicais.

Os sabores que a Clynelish dá a Johnnie Walker Black Label, juntamente com os maltes das Terras Altas, podem ser mais bem apreciados em um Tropical Highball. As notas de Johnnie Walker Black Label ganham vida com abacaxi ou chips de banana, bitter de toranja e uma mistura de pimenta-da-jamaica e açúcar na borda do copo.

ILHAS ESCOCESAS

A Escócia possui quase 80 mil quilômetros quadrados, sendo 10 mil quilômetros de litoral, e 236 montanhas com altitude maior que 900 metros. Mas, citando o filme Highlander, “Só pode haver um”.

E esse lugar é Islay, a mais meridional das ilhas Hébridas, a oeste do litoral escocês, e aclamada mundialmente pelo whisky produzido lá.

Diversas destilarias produzem o whisky single malt com o característico sabor turfado. A noroeste de Islay fica o lago Finlaggan, com duas pequeninas ilhas que contém vestígios de um antigo povoado, incluindo um forte pré-histórico e tumbas medievais. Alguns dizem que foi em Islay que o Uisge Beatha surgiu.

Caol Ila

Além das destilarias Lagavulin e Port Ellen, Islay também é o lar da Caol Ila.

O scotch whisky single malt feito em Caol Ila (pronuncia-se “culaila”) tem as notas defumadas tão características de Johnnie Walker Black Label.

O processo de destilação em Caol Ila envolve um longo período de fermentação, um ponto de corte maior e alambiques mais altos (isso ajuda a evitar alta concentração de fenóis, algo típico de outros whiskies single malt feitos em Islay). É por conta desse processo que Caol Ila é tão importante para Johnnie Walker e tão querida por apreciadores e conhecedores de whisky.

Stuart Morrison, um de nossos mestres-destiladores, diz que “existem coisas que nós destiladores fazemos que ninguém fica sabendo. Um desses prazeres secretos é a busca por barris, tentar encontrar novos sabores e ir até a destilaria Caol Ila. Ficar olhando através daquelas janelas enormes as cascatas e as montanhas majestosas ao longe. Isso sim é um ótimo dia de trabalho”.


As características de Caol Ila

Além do característico sabor defumado dos whiskies de Islay, tão intenso quanto o de bacon defumado, também são perceptíveis notas de pera e gramíneas neste excelente single malt.

Seu paladar defumado, juntamente com os outros maltes adicionados na ilha, podem ser apreciados em um coquetel Smoky Highball com Johnny Walker Black Label, adicionando bitter aromático, uma mistura de pimenta chipotle e açúcar na borda do copo, e um ramo de alecrim tostado para decorar.


Chegamos ao fim da primeira parte da turnê. Fique ligado para a segunda parte, onde exploraremos Speyside e as Terras Baixas.

Quer saber mais sobre como turbinar seu estabelecimento? Inscreva-se na Diageo Bar Academy para ter acesso ilimitado a dicas e técnicas com os especialistas desse mercado.