We have updated our Privacy and Cookie Notice to keep you informed where we may process your personal data. See more here or contact us for more information.

CINCO COISAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NÃO SABE, MAS DEVERIA, ANTES DE ABRIR SEU PRÓPRIO BAR.

Ter o próprio bar é o grande sonho de muitos bartenders. Criar seu próprio cardápio de coquetéis, decidir o tipo de música e escolher a decoração é só o começo. Você será seu próprio chefe, pode tratar a equipe da forma como gostaria de ter sido tratado, e vai criar um império de bares onde todos os drinks serão excelentes.

Essas são as vantagens, e sem dúvida a sensação de ser dono do próprio futuro é ótimo. No entanto, há muitas coisas a serem consideradas, que normalmente são ignoradas no desejo de se ter um bar de coquetéis de sucesso.

Abaixo, veremos algumas dessas questões que normalmente não são previstas, e com as quais precisei me adaptar. Essa lista é para você não ter que passar pelo que passei:

Claro que você ainda vai trabalhar atrás do bar. Na verdade, você vai trabalhar mais turnos por semana do que parece ser humanamente possível, mas no momento em que você assina a linha pontilhada e se torna dono do seu próprio lugar (antes disso, na verdade), você deixa de ser um bartender e se torna um empresário. As decisões de negócio que você terá de fazer impactarão diretamente seu fluxo de caixa, seu lucro, fornecimento, e as pessoas que trabalham para você.

Gerenciar um negócio bem-sucedido é difícil. O lucro no final do ano só vem após manter a rentabilidade alta e os custos baixos, e para conseguir isso você precisa que seu bar seja bem localizado, um bom tino comercial, um bom marketing, ser bom ao lidar com pessoas e ter um entendimento profundo sobre o que os clientes querem. E mesmo que você tenha tudo isso, ainda assim talvez não seja fácil conseguir lucrar. A verdade é que, em qualquer parte do mundo, ter um bar não é um negócio muito lucrativo.

E não quer dizer ser um bartender com várias habilidades, e sim um ser humano com várias habilidades! Um pouco de conhecimento em contabilidade é essencial. Você precisa saber exatamente onde o dinheiro está sendo usado. Um mínimo de conhecimento em marcenaria, eletricidade e encanamentos é um diferencial que vai contar a seu favor, pois são habilidades que vão se mostrar úteis por diversas vezes (em meu bar, o Purl, somos nós que fazemos praticamente tudo). Saber um pouco de informática e programação também pode ser bastante útil, principalmente se você gerenciar seu próprio site e sistema de reservas. E além de ser pau para toda obra, você também vai precisar:

Goste ou não, você vai precisar da ajuda de advogados, gerentes de bancos, autoridades locais e fiscais. E não é apenas frustrante ter que lidar com esse tipo de questão, mas elas também custam dinheiro. Você provavelmente vai precisar de um web designer, de serviços de gráfica, técnicos de ar condicionado ou aquecimento, dedetizadores, coleta de lixo, contadores, e talvez uma agência de relações públicas e contatos na mídia.

É triste dizer isso, pois todos temos nossos ideais, aos quais gostaríamos de nos manter fiéis. Ao longo de nossas carreiras, nós criamos uma lista mental dos erros cometidos por outras pessoas, que vão contra a moral que acreditamos. Essas questões pessoais orgulho nos fazem ser os bartenders que somos, mas ser um empresário de sucesso significa gerir orçamentos e obter resultados enquanto se minimiza os custos. Talvez, por exemplo, usar apenas taças e copos apenas de um determinado estilo seja caro demais e difícil de gerenciar. Aquela vodka de batata, mesmo deliciosa, talvez seja uma extravagância desnecessária para se usar em uma vodka com tônica.

Talvez essa lista te faça desistir de abrir um bar, e se for assim, talvez seja melhor. Mas se depois de ler você continua motivado como estava antes, e coma mesma paixão, boa sorte! A recompensa vale muito mais que os sacrifícios.

Tristan Stephenson é coproprietário de três dos melhores bares de coquetel de Londres. É também um ávido historiador de mixologia, pioneiro de técnicas modernas de bartending, e cientista de sabores amador.