Atualizamos nossos Termos de Uso. Para mantê-lo informado sobre onde processamos seus dados. Veja mais aqui ou entre em contato conosco para mais informações.

Você sabe a importância de um menu bem estruturado? E mais que isso, sabe como estruturar um menu e torná-lo atrativo e acessível para os seus clientes? Se é isso que você procura, se liga nesse artigo feito pelo nosso Head Trainer, André Bueno.

CLIENTE COMO FOCO PRINCIPAL

Quando o pessoal de mídias me pediu um conteúdo sobre menus, uma série de possibilidades vieram na mente, porém, pra ficar fácil de entender vou dividir nesse artigo informações muito mais estruturais, do que de fato, algo sobre como selecionar as melhores receitas e compor um menu.

Para falar de um menu efetivo e que impulsione a venda de coquetéis, vamos pensar na forma que ele chega aos clientes.

ACESSIBILIDADE

Se seu bar é mais descolado, as pessoas ficam de pé e observam o menu no balcão, aí você vai precisar de um menu curto e que seja de fácil observação.

Já para bares com atendimento na mesa, o menu pode ter um formato mais “livro” e ter mais de uma ou duas páginas. Pense sempre no conforto do cliente para acessar as opções, então quanto mais enxuto e objetivo, o menu tende a ser mais efetivo também.

O QUE EU COLOCO NO MEU CARDÁPIO?

Cuidado com muitas opções de coquetéis, isso mais confunde o cliente do que facilita a venda!

A dica acima está totalmente ligada à velocidade de escolha de coquetéis e também aos gastos do bar, pois um bar com uma carta muito grande, certamente deve se preocupar em fazer compras de uma série de insumos e produzir um monte de ingredientes para ter tudo disponível para o cliente.

Em todo bar existe aquela receita campeã de vendas e aquela que nunca sai. As receitas que saem menos podem ser reflexo de uma série de fatores, indicação por parte da equipe, posicionamento no cardápio, preço e até mesmo uma certa preguiça da equipe de bar em produzir por ter uma complexidade maior.

Com isso, busque sempre por receitas práticas que possam ser reproduzidas em qualquer situação, mesmo no período de rush.

Se ainda assim seu coquetel não vende, repense a permanência dele na carta! Você pode ter um gasto de tempo, dinheiro e energia no produto errado para os seus clientes.

ASPECTO VISUAL

Pense também na visibilidade e na atratividade das páginas. Deposite energia na cor de fundo, já vi muitos bares onde o cliente precisa usar o celular para iluminar o menu, por conta das cores das letras e a cor de fundo das páginas. Será que ajuda o cliente?

O mesmo vale para imagens. Ao usar fotos, a compreensão do cliente ao que vai receber é maior e evita frustrações. Nesse caso, use sempre imagens atraentes e reais ao que você entrega.

Nada de colocar uma foto de Negroni com gelo em formato diamante, copo de cristal e na hora da entrega ter um copo americano com gelo de posto!

Quer ajudar ainda mais seu cliente a escolher? Pequenos ícones com o formato da taça ou copo podem fazer o cliente entender melhor o que está comprando.

Já comprei um coquetel ao ler o cardápio e imaginar que seria um coquetel longo e refrescante e quando recebi a receita, era um shot!

DESCRIÇÃO DOS COQUETÉIS

Mais uma dica, já usando um exemplo que constantemente cito nas sessões de DBA: sobre a maneira que descrevemos os coquetéis em nossos menus.

Dependendo do seu público e falando de maneira generalista, a maior parte dos clientes não entendem muito sobre coquetéis.

O mais surpreendente é que com um preço justo e coquetéis bem feitos, a maior parte dos clientes topam uma sugestão.

Na hora de descrever suas receitas, cuidado com termos técnicos, afinal o bartender ou mixologista é você e você sabe o que é um xarope, shrub, fat wash, espuma e etc.

Analise seu público, perceba que muita gente sequer conhece o que é um Gin, daí acrescentar vermute tinto e bitter como descrição deixa algo tão “vazio” e nada atrativo.

Qual o sabor do coquetel? Algumas casas optam por escrever o nome das marcas, e isso até ajuda o cliente a ter mais confiança, ainda assim, descreva sabores e utilize expressões que o cliente consegue assimilar.

Imagine a descrição de um Gin & Tônica mais ou menos assim:

“Tanqueray & Tonic:

Uma receita refrescante feita com Gin Tanqueray, limão Siciliano que traz um leve toque cítrico e o aroma e sabor marcante do Alecrim com água Tônica. Imperdível!”

Conseguiu imaginar o que vai vir em sua receita? E o sabor? Essa é a ideia e certamente seu cliente vai ficar mais confortável ao compreender o que vai receber.

PARA ACABAR, O PREÇO!

A dica é rápida, evite colocar preços em ordem crescente do mais barato ao mais caro, assim, os clientes fixam até onde podem ou pensam em gastar.

Troque a ordem dos coquetéis, se a descrição for boa, o cliente vai buscar o sabor e não apenas o preço!


Quer saber mais sobre menus, aguarde, em breve trarei mais dicas e vamos nos aprofundar no assunto. Encontro você por aí nas sessões do DBA pelo país!