Atualizamos nossos Termos de Uso. Para mantê-lo informado sobre onde processamos seus dados. Veja mais aqui ou entre em contato conosco para mais informações.

« voltar para Nossa Newsletter

COQUETÉIS CLÁSSICOS AO REDOR DO MUNDO

Viajamos por todo o mundo, do Brasil a Nova York, para trazer para você os coquetéis típicos mais exóticos de outros países, feitos pelos melhores bartenders do planeta. Exploramos a origem de cada coquetel e como você pode servi-los em seu bar.

Brasil: Caipirinha

O Brasil é conhecido pelo futebol, lindas praias, samba, e, é claro... caipirinhas. Tai Barbin conta como deu seu toque pessoal à receita clássica desse nosso drink.

Origens humildes

Como muitos drinks clássicos, a história da bebida mais famosa do Brasil é cercada de mistério. O mais provável, de acordo com historiadores, é que tenha sido criada por um engenheiro civil chamado João Pinto Gomes Lamego, em Paraty, no ano de 1856. Teria nascido como uma tentativa de fazer as pessoas pararem de beber água, na época contaminada com cólera. Em sua receita, ele recomendava às pessoas que bebessem uma mistura de cachaça, água, limão e açúcar.

Uma caipirinha tradicional é feita com limão, açúcar, gelo e cachaça, que é “um tipo de rum”, muito similar ao Rhum Agricole. A cachaça se tornou uma categoria própria de destilado, e deve obrigatoriamente ser feita a partir do caldo de cana fresco e produzida no Brasil.

Veja abaixo meu toque pessoal à caipirinha:

Caipirinha de maracujá e mel

PREPARO

Singapura: Singapore Sling

Singapura é um lugar que merece seu destaque na cena mundial de bares, e nada capta tanto a sua florescente cultura coqueteleira quanto esse drink tradicional, o Singapore Sling. Din Hassan, bartender do CÉ LÁ VI, nos conta qual é seu toque pessoal a esse clássico.

O começo do Sling

O Singapore Sling foi criado por Ngiam Tong Boon, entre 1913 e 1915, período em que ele trabalhava no Long Bar, que ficava no hotel mais icônico do país, o Raflles. O hotel ainda tem a reputação de fazer um dos melhores Slings do mundo.

A receita tradicional do Singapore Sling contém gin, licor de laranja, licor de cereja, licor Bénédictine, suco de limão, suco de abacaxi, grenadina (xarope de romã) e bitter angostura.

Eu reinventei esse coquetel típico e o chamei de Retro Sling. Sendo um experimentador por natureza, eu gosto de criar conceitos de coquetéis que entreguem uma experiência multissensorial, ativando os sentidos visualmente e através da textura, com uma harmonia perfeita de sabores. Nessa receita, um dos ingredientes é o Tabasco, que deixa um toque apimentado no paladar. Eu também o decoro com um biscoito coberto de chocolate, pois evoca a memória do lanche preferido dos cingaleses.

Retro Sling

40 ml de gin TANQUERAY LONDON DRY

20 ml de licor de cereja

40 ml de suco de limão

22 ml de xarope simples

3 dashes de bitter de chocolate

2 dashes de molho tabasco

60 ml de água com gás

Biscoito de chocolate para decorar

PREPARO

Coloque todos os ingredientes na coqueteleira – exceto a água com gás.

Bata vigorosamente e depois complete a coqueteleira com água com gás.

Coe para uma taça coupe.

Decore com um wafer de chocolate e um ramo de hortelã.

Nova York: Manhattan

Nova Iorque tem uma das maiores cenas de coquetelaria do mundo, e não falta vida noturna na cidade que nunca dorme. Jess Vida, do bar Blacktail, conta a história por trás do famoso Manhattan e nos mostra sua própria versão para esse clássico.

O mistério do Manhattan

A história do Manhattan remonta ao final do século XIX, no noroeste dos Estados Unidos. No entanto, as fontes divergem, e muitas delas dizem que o drink foi criado em Maryland, sendo depois popularizado em Nova Iorque com o nome de Manhattan. Uma das histórias conta que em 1876 um bartender do Palo Alto Hotel, em Maryland, para acalmar um cliente que estava abalado após um duelo, teria criado o coquetel na hora e servido a ele.

Em sua forma mais simples, um Manhattan é um dash de bitter, uma parte de vermute doce e duas partes de whiskey de centeio, tudo mexido com gelo e servido em uma taça de coquetel.

A criação do Manhattan é atribuída a muitas pessoas, mas quem de fato o criou? Para ser honesto, eu não faço ideia, mas este é o jeito que eu mais gosto de fazê-lo, dando um leve toque pessoal a esse clássico.

Preacher Man

30 ml de whisky JOHNNIE WALKER BLACK LABEL

20 ml de tequila Don Julio Anejo

15 ml de vermute doce

15 ml de vermute seco

10 ml de Amaro Cio Ciaro

10 ml de licor de cacau

2 dashes de absinto

Casca de larajna para decorar

PREPARO

Coloque todos os ingredientes em um copo mixing glass.

Adicione gelo.

Mexa até diluir.

Sirva em uma taça Nick & Nora

Decore com cascas de laranja

Entre na conversa no twitter @diageobarac, compartilhe suas fotos no Instagram @diageobarac ou fale conosco na nossa página no Facebook. Queremos ouvir você.

Inscreva-se hoje e se torne um membro da Diageo Bar Academy. Se inscreva em nossa newsletter mensal para ficar por dentro das últimas notícias do segmento, tendências e dicas para o seu bar.