Atualizamos nossos Termos de Uso. Para mantê-lo informado sobre onde processamos seus dados. Veja mais aqui ou entre em contato conosco para mais informações.

Hoje em dia, os coquetéis com gin estão em toda parte, mas será que eles realmente conseguem rivalizar com o bom e velho Gin Tônica? Tristan Stephenson, célebre mixologista, autor de livros e gerente de bar, explora essa receita clássica e revela como você pode dar seu toque pessoal a ela.

Uma combinação divina

Para mim, o gin e tônica é bom porque é um equilíbrio perfeito entre amargo e doce. Muitos dos vegetais encontrados no gin são naturalmente amargos, e outros, como o zimbro e o alcaçuz, são naturalmente doces. Apesar disso, o processo de destilação remove grande parte desses sabores para chegar à bebida final. Por isso, quando a tônica, que é ao mesmo tempo amarga e doce, é misturada ao gin, ela reintroduz esses sabores essenciais, e o resultado é como redescobrir paladares antigos. Os condimentos e raízes são revitalizados, e o sabor original das frutas e ervas à reavivado.

Hoje em dia, os clientes questionam cada vez mais a origem dos produtos. Quando se fala sobre uma marca, o assunto envolve também seus ingredientes, gerando um apelo de vendas para clientes atentos a cada sabor. O potencial de customização é outro aspecto que torna o G&T tão atrativo. Para nós, bartenders, é uma possibilidade de fazermos experimentações para atender aos desejos de nossos clientes, e criar as variações que eles sugerem para essa bebida clássica, além de harmonizá-los com os pratos que oferecemos. Com uma demanda cada vez maior de gins saborizados, incontáveis sabores de tônica e opções infinitas de ingredientes de decoração, o único limitador é a sua imaginação.

Como fazer o Gin Tônica perfeito

O humilde G&T pode parecer moleza de fazer, mas não se deixe enganar pela sua simplicidade. Com alguns poucos ingredientes, cada sabor é acentuado e deve ser combinado e equilibrado com perfeição.

• Gin – opte por um gin com gosto de gin (zimbro), que não seja ofuscado por outros ingredientes da receita. Use Tanqueray e Gordon’s, assim você não corre o risco de errar. Se quiser deixar as coisas mais interessantes, use Tanqueray Rangpur, que tem um sabor mais cítrico e ácido, e complemente com água tônica cítrica e limão para decorar.

• Água tônica – deve ser agridoce (não muito amarga nem muito doce), fresca e com bastante gás. Mantenha-a resfriada, pois isso reduz a diluição quando você for preparar o coquetel. Eu prefiro usar as que têm sabores cítricos (as do tipo mediterrâneo, por exemplo), porque elas combinam muito bem com gins clássicos com forte sabor de zimbro, como o Tanqueray. No entanto, existe uma grande variedade de gins com os quais você pode usar sua criatividade. Há pouco tempo, experimentei uma tônica com infusão de louro que serviu como um ótimo aperitivo limpador de paladar e foi o acompanhamento perfeito para uma refeição com temperos fortes.

• Decoração – tem que ter um porquê. A decoração deve ser um contraste ou acentuador dos sabores do seu Gin Tônica. Se estiver ali só porque é bonito, não cumpre sua função. Não se limite aos ingredientes tradicionais. Ervas, condimentos e até mesmo flores podem causar um ótimo efeito. Bagas de baunilha são uma boa combinação para gins encorpados e amanteigados. Erva cidreira é um ótimo complemento para gins delicados e florais como o Tanqueray Nº10.

• Gelo – em cubos, e em grande quantidade. Um Gin Tônica nunca ficará gelado demais. As melhores receitas precisam ser mexidas por pelo menos um minuto, para atingirem a diluição e temperatura perfeitas.

• Taça – acaba sendo uma preferência pessoal, mas eu evitaria copos longos, pois eles empilham os cubos de gelo, e quase nunca ficam suficientemente gelados, já que não há muito espaço para a bebida se misturar ao gelo. Eu gosto de usar copos de whisky bem largos, porque gela mais rápido e conserva um pouco do gás.

Ginspirações

O clássico

Sem dúvida você já fez antes, e é uma receita imbatível. Para não ter erro, escolha TANQUERAY LONDON DRY GIN, misturado com uma tônica premium e decorado com uma fatia de limão. O limão dá um toque de acidez ao drink, acentuando tanto o zimbro quanto a semente de coentro contidos no gin.

RECEITA
PREPARO

Panama Gin

Um dos drinks preferidos do exército britânico na Índia, e também dos indianos da parte oeste do país. Essa tônica com um toque cítrico deixa o G&T um pouco mais doce que o habitual, mas fica delicioso. Cascas ou fatias de toranja combinam muito bem com esse drink, pois destaca seu amargor, que normalmente se perde com a limonada doce.

RECEITA
PREPARO

G&T Engarrafado

Caso você tenha um gaseificador, ou se souber manejar bem uma garrafa sifão, você pode facilmente reutilizar água tônica que perdeu o gás. Você pode inclusive fazer suas próprias infusões de ervas, se quiser (experimente usar saquinhos de chá). O melhor de tudo é que esse método também gaseifica o gin, por isso, dependendo da pressão que você utilizar, você pode criar o Gin Tônica mais borbulhante que já tomou. Gins com sabor forte de zimbro, como Gordon’s ou Tanqueray, ficam ótimos desse jeito.

RECEITA
PREPARO

Gin Cock-tail

Algumas pessoas podem dizer que o Gin Tônica não é propriamente um coquetel. Pois eu digo que ele é a própria definição de coquetel, o antigo bitter sling — uma mistura de algum destilado com água. Se pensar no G&T desse modo, fica fácil customizá-lo. Escolha alguns modificadores clássicos e comece a experimentar. Nessa receita, eu escolhi absinto e licor de ervas. O absinto dá o seu toque de anis, enquanto o licor de ervas dá um sabor doce e natural.

RECEITA
PREPARO

Quer ter acessos às dicas e truques mais recentes, para alavancar sua carreira de bartender? Inscreva-se na Diageo Bar Academy para ter acesso exclusivo a tudo isso e mais.