Atualizamos nossos Termos de Uso. Para mantê-lo informado sobre onde processamos seus dados. Veja mais aqui ou entre em contato conosco para mais informações.

« voltar para WORLD CLASS

COMO SE TORNAR UM BARTENDER PREMIADO

Se você chegou até esse artigo, você já sabe (ou no mínimo imagina) como é ser um bartender. E o que mais, nós, preparadores de drinks, podemos fazer nesse segmento? Você já pensou em participar de competições? Eu sei que você ouviu muito sobre rivalidade e disputa exagerada, mas os campeonatos de coquetelaria não são um exemplo disso. Grande parte da visibilidade, destaque e network que eu consegui até hoje foram através dos campeonatos.

VIBES CRIATIVAS

bartender preparando drink

Isso realmente muda a vida de uma pessoa. Não só o resultado de grande campeã, mas todo o caminho que percorri nos desafios do World Class trouxeram um salto de desenvolvimento em minha carreira. Percebi que além de bartender posso ser influenciadora, treinadora, gestora, empreendedora e até um pezinho alí para ser apresentadora de talkshow. Grande parte dessas vertentes eu desenvolvi participando de campeonatos.Para quem não me conhece, me chamo Bianca Lima e tenho 26 anos - apenas 4 de coquetelaria, mas bem vividos. Fiz meu primeiro curso de bartender no Learning For Life (um projeto educacional do Instituto Diageo para capacitação de profissionais no ramo de Alimentos & Bebidas), e depois disso aos coisas aconteceram muito rápido. Comecei em São Paulo, em bares como Caulí e Mule Mule e hoje sou gestora de dois bares em Porto Alegre. Já ganhei alguns campeonatos organizados pela indústria de bebidas e recentemente alcancei o ápice: campeã brasileira do World Class, eleita a melhor bartender do Brasil no ano de 2021.

Assumo que sempre gostei muito de falar em público, contar histórias e criar coisas, fiz faculdade de Design de Moda e tenho raízes na área criativa, e é um grande prazer poder trazer parte disso para agregar à coquetelaria brasileira.

O reconhecimento do meu trabalho me deixa muito feliz, mas não pense que a caminhada até aqui foi fácil.

COMO CRIAR UM COQUETEL DE CAMPEONATO?

drink com cachimbo

Sempre me fazem essa pergunta. Crio primeiro o conceito - que é sobre pensar em uma temática que faça sentido. Alguma situação que precise de conscientização social, uma história relevante ou no mínimo algo que engrandeça a pessoa que vai ouvir. A partir daí, costumo fechar os olhos e busco conectar aquele conceito com sensações como: frescor, intensidade, força, felicidade, leveza ou confusão.

Depois, é só converter essas sensações em ingredientes. Claro que o sabor da sua felicidade pode ser muito diferente da minha, mas se eu explicar o que me levou a fazer essas conexões, qualquer pessoa vai conseguir encontrar as referências. Sei que parece um processo criativo bem maluco, mas para mim funciona.

O fato é que campeonatos são caminhos de desenvolvimento profissional e você pode escolher percorrê-los ou não. Mas, sinceramente, aconselho que todo bartender participe ao menos uma vez de algum campeonato ao longo da carreira, e do World Class principalmente. Por mais que essa não seja a sua especialidade, você vai conhecer pessoas e possibilidades que mudarão a sua visão de mercado.

Você já pensou em viajar o mundo e conhecer de perto as grandes destilarias e um pouco mais sobre a história das bebidas que você serve? É mais um sonho que pode ser realizado através do seu desempenho e dedicação no seu trabalho como bartender. Todos os anos, o World Class leva os vencedores nacionais para copetirem em algum lugar ao redor do mundo. E não é só sobre viajar, mas conhecer pessoas que atuam na mesma área que você do outro lado do mundo é uma experiência incrível, te enche de ideias e possibilidades para implementar em seu trabalho, e em seu país. Pensar em projetos que envolvam a comunidade, que tragam desenvolvimento para a sua cidade, ou até mesmo quem sabe decidir viver em outro país.

SER MULHER ATRÁS DO BAR

drink claro em copo

Acredito que já passou da hora de percebermos que o bar não é mais masculino, nem para as mulheres que gostam de sentar no balcão e tomar um bom whisky sozinhas e desfrutar da sua própria companhia, muito menos para as mulheres que traduzem trabalhos incríveis atrás das barras de todo o mundo. Infelizmente, ainda é preciso lidar com algumas manifestações de machismo, assédio e falta de credibilidade. Por todo o caminho,tive que provar muitas vezes que eu era boa no que fazia independente do meu gênero, pois competência não se define por isso.

Costumo dizer que mesmo não carregando muitas caixas de uma vez, farei quantas viagens forem necessárias para carregar todas elas. O trabalho no bar exige sim muito esforço físico, mas também exige organização e cuidado com os detalhes. Várias vezes as pessoas chegavam no bar e me perguntavam quem era O chefe de bar, e era sempre muito bom responder que era eu mesma, a “menina pequena” de 26 anos que cuidava de tudo e fazia ótimos coquetéis.

VOE ALTO, MAS NÃO SE ESQUEÇA DAS RAÍZES.

Se você leu até aqui, espero que tenha se interessado um pouco pelo caminho que resolvi seguir. E se você for uma bartender como eu, gostaria de pedir que você coloque esse rostinho lindo no sol e vá ocupar os nossos espaços nos campeonatos de coquetelaria. Existe sim, muito espaço para as mulheres nos campeonatos e será um prazer ajudá-la nessa empreitada. O restante das recomendações são aquelas que vocês já sabem: atenda bem seus convidados, entenda o mercado de bebidas e sua relação com o seu bar, seja cordial, profissional e nunca se esqueça que, por mais longe que você chegue, ser bartender é ter paixão por servir. É sobre altruísmo e empatia de uma forma agradável e descontraída.

CINCO PONTOS CHAVES

  1. Entenda os desafios da profissão
  2. Participe de campeonatos, cresça como profissional
  3. Construa um conceito e relações com sensações ao criar um coquetel
  4. Acredite em seu próprio potencial
  5. Explore as possibilidades, mas não perca sua autenticidade