Atualizamos nossos Termos de Uso. Para mantê-lo informado sobre onde processamos seus dados. Veja mais aqui ou entre em contato conosco para mais informações.

COMO O WHISKY É FEITO – EXPLORANDO A CATEGORIA

A palavra whisky tem origem etimológica do termo escocês gaélico uisge beatha, que quer dizer “água da vida”. A bebida tem seu registro histórico mais antigo datado de 1494, quando o rei James 4º da Escócia requereu malte suficiente para a produção de uma grande quantidade de Acqua Vitae.

O sabor de um whisky pode ser intenso e defumado, ou até mesmo leve e adocicado.

Conheça sua bebida, a região onde foi fabricada, à qual categoria pertence e qual a gama de sabor e aroma envolvidos e só assim, saberá escolher qual é o estilo que melhor te satisfaz.

O BEABÁ

É verdade que quanto mais velho o whisky, melhor ele será?

Não necessariamente, afinal, a definição de melhor ou pior é relativa às preferências de paladar e aroma de quem o aprecia.

A categoria whisky se divide em alguns segmentos. Veja aqui os principais:

Bourbon – whisky americano, que pode ser feito em qualquer lugar dos EUA, sendo o estado de Kentucky o maior produtor.

Nesta categoria, temos aromas e sabores mais adocicados, certa picância e barris de Carvalho de único uso envolvidos em um processo de envelhecimento que deve ocorrer pelo mínimo de 2 anos. Em sua composição de grãos deve haver pelo menos 51% de milho.

Tennessee - whisky americano, que possui DOC (Denominação de Origem Controlada), devendo ser produzido apenas no estado do Tennessee. Essa categoria tem sabor mais seco e amadeirado e obrigatoriamente necessita ser submetida a um processo denominado Lincoln County, que consiste na filtragem do líquido através de carvão de madeira de bordo. Neste estilo, tamvém é obrigatória a presença de pelo menos 51% de milho na composição dos grãos.

Scotch Whisky – A categoria mais abrangente, e de alta expressividade no mercado mundial de whiskies. Essa categoria subdivide-se em outras 5. São elas:

Single Malt - Whisky feito de cevada maltada vindo de uma única destilaria.

Single Grain – Whisky feito a partir de uma mistura de grãos vindos de uma única destilaria.

Blended Grain – Whisky produzido a partir de dois ou mais Single Grains vindos de destilarias diferentes.

Blended Malt – Whisky feito a partir da mescal de whiskies Single Malts, e consequentemente originários de diferentes destilarias/ regiões.

Blended Scotch Whisky – A maior fatia de produção do mercado de whisky escocês, é o resultado da mescla de whiskies de malte e de grãos, de diferentes destilarias/ regiões.

SIMPLIFICANDO

A produção de um whisky começa na escolha do grão.

Falaremos aqui, sobre a categoria Scotch Whisky, que voc~e acabou de ler a respeito.

A cevada maltada: antes de mais nada, é necessário manusear o grão de cevada, que por si só, já é bem resistente.

Para este melhor manuseio, a destilaria umedece ests grãos, até que a partir dele germine um broto que conterá a enzima responsável pela conversão dos amidos em açúcares na etapa da fermentação.

Essa etapa de germinação da cevada, denomina-se maltagem.

O aspecto defumado

Muitos whiskies escoceses tem o aspect defumado como característica principal. Denominamos esta característica como : turfada.

Quando um whisky escocês possui essa característica, a queima do carvão vegetal chamado turfa ocorre, e então, a fumaça proveniente desta queima é direcionada à cevada maltada, para interromper o crescimento do broto e assim evitar que ele torne-se uma planta.

É durante este processo que essa característica turfada se dá. Quando o whisky não faz uso dessa característica, para secar a cevada maltada, apenas vapor é utilizado sobre ela.

A brassagem e a fermentação

Para fermentar a cevada maltada é necessário, após secá-la, moê-la. Para este processo damos o nome de brassagem ou moagem. Sendo assim, essa cevada se tornará uma farinha, que será colocada para fermentar.

O que ocorre na fermentação?

A conversão dos amidos em açúcares, e dos açúcares em gás carbônico e álcool. Por isso, nessa etapa, também atribuímos o termo: “o nascer do álcool”, pois existe aí graduaão alcóolica, mesmo que pequena.

A destilação

Após a fermentação, a destilação precisa acontecer. Como estamos tratando de whisky escocês, ela deve ocorrer em alambique de cobre, e pela quantidade minima de duas vezes. Sendo assim, todo whisky escocês começa sua graduação alcoólica na casa dos 40% ABV.

O cobre é um elemento muito importante na destilação, poiscontribui para a suavização do destilado e também elimina características indesejadas neste processo.

Quanto mais lenta a destilação, maior complexidade o líquido terá, ao final de seu processo de fabricação.

Envelhecimento

Whisky escocês precisa envelhecer pelo período mínimo obrigatório de 3 anos e 1 dia.

Sendo assim, existem lotes que não tem idade especificada, mas quando essa especificação ocorrer, ela deve sinalizar a idade do líquido mais jovem presente na mistura.

Quer um exemplo?

Johnnie Walker Black Label, que tem em seu rótulo o número 12.

Isso significa que, no caso dele sendo um Blended Scotch Whisky, o mais jovem da mistura tem então, 12 anos.

O blend

É possível criar uma infinidade absolutamente complexa de misturas/ blends.

Para isso, muitos anos de estudo e um time complete de especialistas (os Master Blenders) se faz necessário.

Na Escócia, existem 4 regiões principais que produzem whisky e são elas:

Speyside – responsável por whiskies frutados, intensos e sem característica turfada.

Islands – responsável por whiskies salinos, intensos e turfados.

Highlands – responsável por whiskies intensos, com características licorosas e levemente picantes.

Lowlands - responsável por whiskies leves, cítricos e com características florais.

Dada essa gama de regiões e características únicas a cada uma, as misturas se fazem infinitas e cheias de complexidade e riqueza tanto de aroma, quanto de sabor.

Após o blend ou retirada do whisky dos barris, o engarrafamento se dá, levando assim, a experiência de anos de estudo e envelhecimento, blend e combinações aos 4 cantos do mundo.

PRA VOCÊ SABER

Whisky escocês é uma categoria que possui DOC, e como você viu anteriormente ao início deste artigo, uma categoria que possui essa Denominação de Origem Controlada precisa também seguir um conjunto de regras adicionais.

Quais são?

No caso do Scotch Whisky:

  1. Envelhecimento pelo período mínimo de 3 anos e 1 dia.
  2. Idade do mais jovem da mistura descrito na garrafa.
  3. Graduação alcóolica minima de 40% ABV.
  4. Nenhuma substância além de água e caramelo pode ser adicionada ao destilado.
  5. Destilação em alambiques de cobre.
  6. Apenas enzimas naturais provenientes do processo de maltagem devem ser utilizadas na etapa da fermentação.
  7. Somente a Escócia pode produzir, destilar e envelhecer whisky escocês.

Um panorama geral:

Seja qual for o seu estilo preferido de whisky, vale a pena lembrar que existe um mundo de aromas, sabores e combinações a ser desbravado.

Descubra qual é o seu perfil de paladar e o explore ainda mais!

Desmistifique a ideia de que a categoria whisky só pode ser apreciada pura ou com duas pedras de gelo.

Explore novos coquetéis, ingredientes e combinações!

Anote suas considerações a cada degustação e não tenha medo de combiner novos ingredientes.

E qual é o jeito certo de beber whisky?

A resposta é que não existe um jeito certo. Na verdade, existe sim:

É o jeito que você mais gosta.

Por isso, viaje à Escócia ou aos Estados Unidos através de cada dose ou coquetel.

Desvende anos de envelhecimento a cada apreciação, sinta as notas agregadas pela madeira.

E claro, não se esqueça de apreciar com moderação, e sempre brindar!

Para isso, um brinde em Gaélico Escocês:

SLAINTHÉ MHATH! (Saúde!)

CINCO PONTOS CHAVE

  1. Explore whisky além da dose
  2. Descubra qual é o seu perfil de paladar
  3. Teste novas combinações
  4. O jeito certo de beber é o que você mais gosta
  5. Conheça sua bebida