We have updated our Privacy and Cookie Notice to keep you informed where we may process your personal data. See more here or contact us for more information.

« voltar para Consumo Responsável

Tendências para usos de gin que você precisa conhecer

Você anda se perguntando qual será a nova tendência para o gin? Não precisa mais imaginar! Tristan Stephenson, bartender e autor do livro “The Curious Bartender’s Gin Palace”, nos conta um pouco sobre as tendências para o uso de gin e nos dá a receita de um de seus coquetéis preferidos com esta bebida.

A popularidade do gin explodiu nos últimos anos, evocando um certo patriotismo e retorno aos velhos valores britânicos, enquanto celebra a procedência de seus ingredientes saborosos. E essa popularidade não dá sinais de que vai se enfraquecer tão cedo, com tantos novos bares especializados em gin surgindo e cada vez mais pessoas procurando por mais experiências com essa bebida. Por isso, aqui vão algumas tendências atuais para o gin que você precisa conhecer, e dicas de como usá-las em seu bar.

Tendências

O clássico Gin Tônica

Mesmo com tantas novas marcas de gin surgindo cada vez mais, as tendências atuais ainda permanecem em grande parte concentradas em torno do humilde Gin Tônica.Devido ao crescimento constante de novas marcas de água tônica, e também por novas extensões das marcas já existentes, o número de variações de Gin Tônica já deve estar chegando a milhões. Alguns dizem que para cada gin existe uma água tônica perfeita a ser combinada, e ainda que ficar brincando com essas combinações pode ser uma experiência frutífera e divertida, eu costumo me ater a uma única marca de gin e escolher minha tônica de acordo com meu humor e com a ocasião. Eu gosto de combinar gins mais carregados no zimbro com águas tônicas mais amargas, para intensificar as características agridoces da fruta. Gins com sabores mais florais ou cítricos precisam de tônicas com essas mesmas características.

Tendências na decoração dos drinks

Antigamente uma rodela de limão no copo era o indicativo de um Gin Tônica bem feito, e pedaços de limão no copo já eram uma exibição. Agora, não é difícil encontrar uma variedade de frutas/vegetais/temperos decorando a superfície efervescente de uma enorme taça copa gelada. Um Gin Tônica não é mais um drink simples feito com dois ingredientes, hoje é um coquetel derivado de duas bebidas base, cada uma com sua própria variedade de sabores, decorados com mais sabores dos ingredientes. Existe o risco de se perder.

Outro dia, me serviram um Gin Tônica com frutas de zimbro, o que a princípio me pareceu um toque bacana, mas quando comecei a beber, as frutas me confundiram um pouco. Nem tanto porque elas ficavam tentando entrar na minha boca, mas por causa do gosto e do aroma que elas começaram a soltar. Aí eu pensei, “se o gin já é feito com a quantidade certa de zimbro, com certeza essas frutas estão causando um desequilíbrio”.

É por isso que vejo as decorações de um Gin Tônica da mesma forma que vejo as outras plantas que fazem parte do gin. Por “outras”, quero dizer além do zimbro, que é a única essencial para a produção do gin e que deveria ser sempre (por lei) o sabor dominante. No passado, outros vegetais eram usados para reforçar algumas facetas do espectro de sabor do zimbro, como sementes de coentro para notas cítricas, angélica para dar um sabor amadeirado, alcaçuz para um gosto mais terroso, e por aí vai (exceto pelo TANQUERAY LONDON DRY GIN, que é composto apenas desses quatro elementos). As decorações devem fazer esse mesmo papel. Elas devem elevar e celebrar, e não gerar caos e desequilíbrio.

E para isso eu recomendo usar ervas mais amadeiradas, como alecrim, sálvia e tomilho para decorar gins leves e cítricos. Para gins mais delicados e florais, eu fico tentado a dizer para não decorá-los com nada, embora algumas frutas e legumes leves (framboesa, pepino) podem funcionar bem.

Inovando com os coquetéis clássicos de gin

O gin não é apenas para fazer Gin Tônica, ele tem o seu papel em muitos coquetéis clássicos. Afinal, desde o começo do século XX ele é a bebida mais presente nestes coquetéis. O surgimento de marcas finas de vermute e também o relançamento de antigas marcas estão impulsionando inovações em velhas receitas.

Alguns dos meus coquetéis clássicos favoritos:

Minha receita de Salted Gin Rickey

Outra das minhas receitas favoritas com gin é o Salted Gin Rickey. O Rickey original era um drink dos anos 1880 que tinha bourbon como base. Alguns anos mais tarde, como o gin foi se tornando cada vez mais disponível nos Estados Unidos, os ingredientes foram trocados, e o Gin Rickey se tornou uma das bebidas mais populares dos anos 1890.

O segredo para fazer um bom Gin Rickey é não confundi-lo com um Collins ou um Fizz. Muita gente os confunde por causa do limão. Um Rickey verdadeiro é feito sem açúcar e servido bem gelado. O sal na bebida faz o mesmo efeito que o açúcar: ele tira a acidez do limão e dá um equilíbrio mineral agradável ao coquetel.

PREPARO

Entre na conversa no Twitter @diageobarac, compartilhe suas fotos no Instagram @diageobarac ou fale conosco em nossa página no Facebook. Queremos ouvir você.


Quer ter acesso exclusivo a conteúdos sobre o mercado, ferramentas de bar e calculadores de rentabilidade? Inscreva-se na Diageo Bar Academy e tenha acesso ilimitado a tudo isso.