Atualizamos nossos Termos de Uso. Para mantê-lo informado sobre onde processamos seus dados. Veja mais aqui ou entre em contato conosco para mais informações.

Você provavelmente já está adaptado ao uso dos novos equipamentos obrigatórios como máscaras, luvas e até o face shield.

Neste artigo preparamos algumas dicas e considerações sobre o uso de luvas no dia a dia do bar.

Afinal, quando usá-las?

O uso de luvas ao preparo de coquetéis e no dia a dia do bartender sempre foi causa de controvérsias.

Qual o melhor momento para usá-las?

Está certo de que elas já eram de uso conhecido – e frequente – em muitos bares mundo a fora.

Talvez por trazer certo aspecto de maior credibilidade e profissionalismo, o uso de luvas cirúrgicas se tornou frequente nas mãos de bartenders e profissionais de bar de modo geral.

Antes de qualquer assunto ou surgimento da pandemia do Covid-19, elas já eram vistas vestindo as mãos de inúmeros profissionais.

Sabemos que, de acordo com a NT 049/2020, luvas e máscaras foram incorporadas em obrigatoriedade ao uniforme de trabalho, em função da prevenção à contaminação do Covid-19.

Porém, é necessário lembrar que, em um período trabalhado de 8 horas diárias, as luvas – e máscaras – devem ser trocadas em um período máximo de 2 horas.

O uso de luvas de trás dos balcões de bar é indicado no caso de manipulação de alimentos específicos, como corte de frutas cítricas ou até mesmo manipulação de produtos químicos necessários à sanitização do ambiente – e de alimentos.

Não podemos esquecer que ao manipular o famoso gelo translúcido, esférico, ou até em formato de diamante, o uso de luvas é o mais adequado.

Um profissional de bar tem plena ciência de sua demanda e fluxo de produção de coquetéis e execuções de inúmeras tarefas que podem ir desde lavar a louça até servir uma long neck.

Num curto espaço de tempo, inúmeras e diferentes superfícies são tocadas e manipuladas, mantendo assim, um nível de possível contaminação muito alto.

É importante ressaltar que o uso de luvas durante uma operação de bar deve ocorrer de maneira monitorada e específica, assegurando a total higienização nos insumos que ali são manipulados.

A mão do profissional que utiliza luvas em seu período trabalhado também merece atenção. A retenção de umidade dentro da luva pode contribuir para a proliferação de doenças de pele, alergias, ou até mesmo fungo nas unhas.

Por isso, trabalhar com as mãos arejadas e livres permite a melhor – e mais frequente lavagem e esterilização de mãos – do que com o uso de luvas, que transmite o aspecto de estar “blindado” a qualquer risco de contaminação, quando na verdade pode ser o contrário.

Em bares americanos, é muito comum o próprio bartender realizar a venda, a cobrança e a execução dos coquetéis, e você não precisa ir muito longe para ver exemplos como este. Na barraquinha da feira, na lanchonete, ou até no açougue você consegue vivenciar essa experiência de perto: um único par de luvas para manipular de tudo.

O uso das luvas deve ocorrer quando necessário à manipulação específica de insumos e utensílios, e prontamente descartadas e substituídas por outras destinadas a um único fim – ou insumo.

Caso contrário, a única proteção a ser obtida – e olhe lá – é a mão do próprio bartender.

Continue conosco no Diageo Bar Academy e aprenda de maneira inteligente sobre assuntos como este e muito mais!